Viagem Vegana

Turismo vegano na Chapada dos Veadeiros

Chapada dos Veadeiros - Abertura

A Chapada dos Veadeiros é uma área de conservação brasileira localizada a aproximadamente 240 km de Brasília, em Goiás. Com lindas paisagens naturais, centenas de cachoeiras paradisíacas e gigantes serras, a região também é conhecida por ser um dos principais destinos esotéricos do país devido a abundância de cristais presentes em sua placa geológica. A gastronomia local pega carona em tudo isso e faz da região um destino muito bem preparado para receber vegetarianos e veganos.

Muito ouvi sobre a Chapada dos Veadeiros. Vários amigos que já tinham visitado a região e até mesmo morado por lá sempre me deixaram curioso sobre as maravilhas naturais de Goiás. Foi então que em um dos últimos feriados prolongados, decidi passar 4 dias perambulando por lá para sentir a “vibração” da Chapada. Antes de partir já tinha dado uma pesquisada sobre restaurantes e opções veganas da região, mas não encontrei muita coisa. Foi somente lá que acabei descobrindo alguns lugares que me deixaram realmente encantados. Posso dizer que veganos e vegetarianos passam muito melhor do que em muita cidade grande do Brasil.

Para chegar na Chapada, pra quem não mora em Goiás, a rota mais fácil é pegar um avião até Brasília e de lá seguir por estrada (aproximadamente 2 horas e meia) até alguma das cidades que ficam próximas aos principais pontos turísticos. As duas principais cidades para se hospedar são Alto Paraíso de Goiás e o povoado de São Jorge, apesar que Colinas do Sul e Cavalcante também fazem parte do circuito.

Decidimos nos hospedar em Alto Paraíso devido a maior concentração de opções gastronômicas e maior chance de se encontrar opções veganas. Uma dica pra quem nunca foi é se planejar para ir de carro. Os passeios ficam bem espalhados pela região e pra quem vai ficar pouco tempo, um carro agiliza demais os rolês.

Chegamos em Alto Paraíso no fim de uma linda tarde. O caminho de Brasília até lá é paradisíaco. Depois de umas 2 horas de viagem muitos paredões começam a surgir na estrada formando paisagens absurdas ao anoitecer.

Ao chegar na cidade, já fui tomado pela vibração de paz e calmaria trazido pelo silêncio e clima fresco. O céu de lá é coisa de outro planeta (pra quem mora em São Paulo… rs), nunca vi tanta estrela na minha vida. A cidade é minúscula (7.300 habitantes), então não tem como se perder. Tudo acontece ali pela avenida principal e é onde também ficam quase todas as opções de bares e restaurantes.

Encontramos a pousadinha e já saímos para jantar. Vamos aos rangos…

#1 – Cravo e Canela (Alto Paraíso de Goiás)

O Cravo e Canela foi o nosso primeiro “achado” de Alto Paraíso. Antes mesmo da viagem, um amigo que já morou lá tinha comentado que era o melhor e mais conhecido point vegetariano/vegano da cidade.

A lanchonete fica em uma casinha bem charmosa de madeira e bambu. O cômodo principal mais parece uma cabana. Lá é onde fica a maioria das mesas. Além deste ambiente ainda tem uma outra salinha menor e duas varandas externas, uma de cada lado do terreno.

O lugar possui um clima meio místico, mas ao mesmo tempo tudo bem simples e com cara de interior. Alguns quadros, penduricalhos e objetos artesanais formam a decoração da lanchonete. Dá pra perceber algumas influências de filosofias orientais com toques de cultura brasileira e local.

Cravo e Canela - Alto Paraíso de Goiás

Cravo e Canela - Alto Paraíso de Goiás
Cravo e Canela - Alto Paraíso de Goiás

O cardápio é MARAVILHOSO, deixa vários lugares das cidades grandes, literalmente, no chinelo. Tem saladas, sanduíches, tapiocas, pizzas, caldos, sopas, pães, doces, açaí na tigela, sucos, vitaminas, sorvetes, bebidas quentes e etc. Um paraíso para veganos e vegetarianos. Todas as categorias possuem opções veganas e caso você queira fazer alguma troca/adaptação/inclusão é só pedir. Lá não tem essa de lanches padronizados, o importante é você conseguir comer muito bem seja qual foi a sua restrição alimentar.

Cravo e Canela - Alto Paraíso de Goiás

Aqui vou ter que falar que o serviço é bemmm demorado. Chegamos por volta das 21:00 e o lugar estava lotado. Ao fazer o pedido fomos avisados que devido ao movimento os pratos iriam demorar. Até ai tudo bem, aqui em São Paulo estamos acostumados com uma demora de sei lá, 30 minutos no máximo. Mas o que não esperávamos era que lá e Alto Paraíso o tempo passa bem, mais bemm devagar. Depois de esperar mais de uma hora fomos novamente avisados que o pedido iria começar a ser preparado e que demoraria mais uns 30 minutos. Pensamos seriamente em cancelar o pedido pois vimos várias pessoas desistindo e indo embora, mas como já eram mais de 22:00 e estávamos roxos de fome, decidimos esperar pois não sabíamos se existiria outro lugar para conseguir comida vegana a essa hora.

Depois desse tempo e da lanchonete estar quase vazia, resolvemos trocar de mesa para ficar no salão principal. Lá encontramos um folheto que explicava todo o conceito do Cravo e Canela. Parecia uma piada, mas o folheto continha várias frases de famosos da história sobre os valores da “paciência”. Nesse texto eles explicavam na cara dura que os pedidos demoram MESMO, pois tudo é muito fresco e preparado na hora, feito com uma super atenção e carinho. O texto funciona quase como um tapa na sua cara do tipo “relaxa, você está em Alto Paraíso, tá com pressa por quê?”.  Eu que já estava no meu último nível de paciência paulistana depois de esperar quase duas horas, relaxei e só conseguia rir.

E finalmente chegaram nossos pedidos. Pedimos uma Veggie-óca com hambúrguer de acarajé (pasta de semente de girassol germinada e temperada com alho e manjericão, hambúrguer de sua escolha, tomate, cebola, picles, alface e brotos), mas como tinha acabado a tapioca, substitui por pão de hambúrguer mesmo. E o outro pedido foi o maravilhoso Sanducaxi (sanduíche de chapati com madiopiry, hambúrguer de grão de bico, abacaxi grelhado, brotos, tomate seco, alface, rúcula, azeitona, ameixa e batata palha). Sério gente, nunca comi nada igual em São Paulo.

Cravo e Canela - Alto Paraíso de Goiás
Hambúrguer de acarajé (pasta de semente de girassol germinada e temperada com alho e manjericão, hambúrguer de sua escolha, tomate, cebola, picles, alface e brotos)
Sanducaxi - Cravo e Canela - Alto Paraíso de Goiás
Sanducaxi (sanduíche de chapati com madiopiry, hambúrguer de grão de bico, abacaxi grelhado, brotos, tomate seco, alface, rúcula, azeitona, ameixa e batata palha).

Depois de provar os dois eu esqueci totalmente do tempo que tive que esperar. Os lanches são realmente incríveis. Não sei se era a magia da cidade, se era a minha fome de leão ou sei lá o que. Comemos os lanches lambendo os lábios e na certeza que valeu muito a pena ter esperado.

De sobremesa comi o bolo Cravo e Canela (bolo vegano feito com açúcar mascavo, maçã, granola e acompanhado com caldo de maçã). A calda dá todo um toque especial, sensacional. Daqueles bolos super macios que você come rezando pra não acabar.

Cravo e Canela - Alto Paraíso de Goiás
Bolo Cravo e Canela (bolo vegano feito com açúcar mascavo, maçã, granola e acompanhado com caldo de maçã).

No final da noite ainda trocamos uma ideia com os donos e funcionários. São todos uma simpatia, pelo pouco que conversamos já deu pra perceber que eles fazem tudo com muita dedicação, amor e paciência… rs.

Dá pra conferir todo o cardápio na página do Facebook. O Cravo e Canela é parada OBRIGATÓRIA na rotaveg da Chapada, uma lanchonetizinha mágina. Não dá pra não ir.

#2 – Taiuá Ambiental (São Jorge)

No segundo dia, depois de conhecer as cachoeiras Almécegas I, Almêcegas II (imperdível), São Bento e o Vale da Lua (imperdível também), fomos para São Jorge, um povoado que fica encostado na entrada do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, a aproximadamente 30 km de Alto Paraíso.

A cidade é praticamente uma rua, consequentemente, possui bem menos opções gastronômicas. Lá é que ficam os hostels, pousadas, campings, restaurantes e lojinhas de artesanato. Se hospedar em São Jorge é, com certeza, uma experiência bem mais roots e que te proporcionará um imersão maior no clima da chapada.

Depois de muito pesquisar na internet, nada encontrei com referência a comida vegana por lá. Já tinha até desistido de tentar encontrar alguma coisa quando coincidentemente trombei com uma amiga aqui de São Paulo que há pouco tempo se mudou para lá. E não deu outra, ela nos salvou! A dica dela foram os lanches e doces da Luanna Franco no Camping Taiuá. (Obrigado Mayara! _/\_ )

O Camping Taiuá fica bem no começo desta rua principal da cidade. Um lugar super arborizado com um clima bem místico, vários ambientes escondidos entre as árvores e uma iluminação indireta. A cabana principal é uma lanchonetezinha totalmente vegana onde a Luanna vende suas criações junto com alguns outros quitutes de suas amigas culinaristas.

Taiuá Ambiental - São Jorge/GO

Taiuá Ambiental - São Jorge/GO

A Luanna trabalha com culinária vegana há 3 anos. As opções oferecidas variam conforme a semana, mas sempre é possível encontrar alguma coisa em feriados e finais de semanas especiais lá no Taiuá. Ela me disse também que o ponto de venda fixo dela é o Dragão Gelado, uma lanchonete e sorveteria a algumas quadras pra frente do camping. Lá sim dá pra encontrar as suas criações todos os dias. O outro ponto de venda da Luanna é lá em Alto Paraíso, no Café Organika que fica de frente para a rodoviária da cidade. Pena que esse não deu tempo de conhecer.

Outra dica legal que ela me deu foi a feirinha dos produtores locais toda terça-feira das 15:00 às 17:00 na praçinha de Alto Paraíso. Muitas delícias vivas artesanais, além de frutas, legumes e hortaliças orgânicas. Outra coisa que eu perdi. 🙁

Pedimos um vegburguer de mandioca e lentilha, uma esfiha de shitake, outra de coração de bananeira e um suco verde! Nunca tinha comido coração de bananeira e nossa, me surpreendeu, é delicioso. Parece uma mistura de alcachofra com acelga, não sei explicar.

Vegburger de soja - Taiuá Ambiental - São Jorge/GO
Vegburger (pão de hambúrguer, hambúrguer de mandioca e lentilha, rúcula, maionese vegana, tomate e brotos).
Esfihas - Taiuá Ambiental - São Jorge/GO
Esfiha de shitake e de coração de bananeira.

E pra fechar ainda mandamos dois maravilhosos alfajores de cacau. Devoramos tudo alí mesmo, em uma mesinha à luz de velas em meio as árvores.

Pão de mel vegano - Taiuá Ambiental - São Jorge/GO
Alfajor de cacau.

Então já sabe, se for para São Jorge é só procurar a Luanna que o rango vegano tá garantido!

#3 – Divina-Madre (Alto Paraíso de Goiás)

No penúltimo dia fizemos o passeio para a cachoeira de Santa Bárbara, sem dúvida um dos lugares mais bonitos que eu vi na vida. É a cachoeira que você não pode deixar de ir caso for para a Chapada. O passeio durou quase o dia todo e assim que chegamos de volta em Alto Paraíso já saímos na busca de algum lugar para jantar.

Encontramos o bistrô Divina-Madre depois de entrar em quase todos os outros restaurantes da avenida principal. Quando tínhamos desistido de procurar e já estávamos a caminho do Cravo e Canela, passamos na frente do Divina-Madre e fomos abordados pela simpática garçonete na calçada. Quando perguntamos se lá tinha opção vegana, ela abriu um sorrisão e disse: “AQUI É UM BISTRÔ VEGANO”. Então pronto, rachamos o bico e já sentamos em uma das mesinhas que ficam do lado de fora na varandinha. Estava até rolando um som ao vivo incrivelmente bom na calçada do bistrô.

O restaurante é bem pequeno e muito charmoso, daqueles com uma pegada bem artesanal. Uma casinha com uma pequena varandinha de porta pra rua e somente um cômodo principal. A decoração é simples, as paredes de fora são de pedra, poucas mesas no salão e um clima bem intimista. A culinária é vegana gourmet orgânica do tipo que você não vai encontrar nada parecido na região. Tudo artesanal, feito com o maior cuidado pelo chef Rogério Botti.

Divina Madre - Alto Paraíso de Goiás

O bistrô serve entradas, massas, risotos e sobremesas. De entrada pedimos um crocante tofu empanado acompanhado por 3 molhinhos nos sabores pequi, indiano e vinagre com shoyo.

De prato principal foi um risoto de shitake com quiabo frito e outro de legumes com brócolis frito. Para os ogros a porção pode parecer meio pequena, mas no quesito sabor a nota foi 11. Repetiria mais umas 2 vezes. Esse brócolis “crisps” é divino!

Tofu empanado - Divina Madre - Alto Paraíso de Goiás
Tofu empanado.
Risoto de shitake com quiabo frito - Divina Madre - Alto Paraíso de Goiás
Risoto de shitake com quiabo frito.
Risoto de legumes com brócolis frito - Divina Madre - Alto Paraíso de Goiás
Risoto de legumes com brócolis frito.

De sobremesa foi um bolo de chocolate Kalunga (referência ao povoado da região dos descendentes de escravos) e um doce chamado Savannah (cacau belga, creme de baunilha com castanhas e laranja). Ambos sublimes, mas fico com o Savannah, combinação perfeita de ingredientes com uma textura que só comendo pra saber. Curto muito a mistura de chocolate com sabores cítricos. Hmm…

Bolo de chocolate Kalunga.
Bolo de chocolate Kalunga.
Savannah - Divina Madre - Alto Paraíso de Goiás
Savannah (cacau belga, creme de baunilha com castanhas e laranja).

O atendimento é… hilário! A garçonete, Karina, é uma comédia. Nos atendeu super bem e com um humor que só Alto Paraíso proporciona às pessoas… rs.

Ao final da noite ainda conversamos um bocado com o chef Rogério, um figura muito gente boa que trocou a cidade grande pela calmaria da Chapada.

E não deu outra, minha paixão por Alto Paraíso subiu mais alguns pontos depois de encontrar este lugar.

#4 – Alquimia do Sabor (Alto Paraíso de Goiás)

O Alquimia é outro restaurante vegetariano que também fica na avenida principal de Alto Paraíso. Este, além do restaurante possui uma loja com vários produtos como roupas, artesanatos locais e outras coisinhas.

Normalmente os passeios duram grande parte do dia, então é normal não estar pela cidade no horário do almoço. Caso isto acontecer, outra dica é se programar para levar sempre um lanchinho na mochila, pois muita das vezes você vai precisar fazer trilhas longas onde não vai encontrar absolutamente nada pra comer. Mas pra quem vai almoçar na cidade, o Alquimia é, com certeza, a melhor opção para os veganos e vegetarianos que estão afim de esbanjar em um self service.

De manhã conhecemos a cachoeira dos Cristais e a Loquinhas, dois passeios super rápidos e pertinho da cidade. Logo depois fomos caçar um lugar para almoçar e acabamos encontrando o Alquimia.

O lugar é bem amplo e espaçoso, formado por um grande salão principal e uma varanda enorme, super gostosa. O esquema é self service por quilo e apesar de ser ovolacto, os veganos se garantem com tranquilidade.

Alquimia do Sabor - Alto Paraíso de Goiás

Tanto o balcão de saladas como o de pratos quentes possuem muitas opções. O preço não é um dos mais baratos, mas vale pela qualidade. Tudo muito bem feitinho e saboroso. Não tem plaquinha indicando os pratos veganos, então na dúvida o jeito é confirmar com a garçonete.

Comi um pouco de tudo, é claro, mas esta moqueca de banana-da-terra foi a que mais se sobressaiu…

Alquimia do Sabor - Alto Paraíso de Goiás
Germinados, brotos de girassol, brócolis, couve-flor, tomate cereja, cenoura, batata doce e rúcula.
Alquimia do Sabor - Alto Paraíso de Goiás
Moqueca de banana-da-terra, feijão azuki, arroz integral, abobrinha e cenoura refogada, batata e cuscuz marroquino.

Este foi o meu último almoço na cidade já com gosto de saudade. Durante a tarde acabamos indo conhecer a cachoeira Raizama, outro passeio inesquecível.

#5 – Restaurante Girassol (Brasília)

E para terminar a viagem, incluí ainda no roteiro um restaurante em Brasília. Como lá é a principal chegada e saída para a Chapada, entre um voo e outro talvez te sobre um tempinho para veganizar pelas redondezas.

Eu não conhecia nada da rotaveg de Brasília. Acabei pegando algumas dicas e avaliações no Foursquare e fomos parar no restaurante Girassol, na Asa Sul.

O restaurante é ovolactovegetariano classe A, tudo muito limpo, eficiente e organizado. Com uma grande varanda ao fundo e um enorme piso superior destinados as mesas, todos os ambientes são muito bem arejados e iluminados. Encostado no restaurante ainda funciona uma pequena lojinha de produtos naturais que também faz parte do Girassol.

Restaurante Natural Girassol - Brasília/DF

O esquema lá é self service por quilo. Ao lado dos balcões é colado um papel informando quais ingredientes do dia são orgânicos.

As saladas, no dia, eram totalmente veganas. Muitos brotos, germinados, pastinhas de castanhas… hmm… tudo do jeito que eu amo! O restaurante é um super simpatizante da alimentação viva. Já o balcão de pratos quentes também era quase todo vegano, lembro que só não consegui pegar 2 opções.

Restaurante Natural Girassol - Brasília/DF
Brotos de girassol, abóbora cozida, tomate com patê vegano, cuscuz marroquino, couve refogado, rúcula, vagem e broto de alfafa.
Restaurante Natural Girassol - Brasília/DF
Cuscuz marroquino, brócolis, tofu assado, torta de tofu, farofa, berinjela assada, arroz com lentilha, abóbora e carpaccio de beterraba com recheio de patê de macadâmia.

Além de todos estas belezuras, o restaurante ainda conta um super cardápio cheio de coisas veganas lindas. Doces raw, bolos, tortas, opções sem glúten, sem açúcar e etc. Diferente de alguns restaurantes ovolacto que vegano fica só com frutas na hora da sobremesa, lá dá até dor de cabeça escolher a mais atraente.

Apesar de estar mais do que satisfeito, não resisti e pedi uma torta de cacau com abacaxi e coco. Não me arrependi nem um pouquinho. Rs.

Restaurante Natural Girassol - Brasília/DF
Torta vegana de cacau com abacaxi e coco.

O Girassol é do tipo restaurante que ninguém passa apertado. Se eu morasse em Brasília, com certeza iria ser um super cliente. Me apaixonei!

A Chapada dos Veadeiros é algo surreal, lugar que ainda quero voltar muitas e muitas vezes. Seja pelas belezas naturais, pelo clima místico, pela vibração de paz ou também pela comida. Apesar de ter ficado poucos dias, fui embora querendo ter ficado um mês para conhecer as mais de 300 cachoeiras da região.

Mais um destino pra lista de roteiros veganos pelo Brasil! 🙂

Cravo e Canela
Aberto: de quinta-feira a segunda-feira.
Horário: das 14:00 às 21:00.
Endereço: Av. Ary Ribeiro Valadão Filho, 1363 – Alto Paraíso de Goiás – Mapa aqui.
Telefone: (62) 3446-1376
Mais informações: página do Facebook

Taiuá Ambiental
Aberto: todos os dias.
Horário: aberto 24 horas.
Endereço: Rua 06, Quadra 08, Lote 02 – Povoado de São Jorge – Mapa aqui.
Telefone: (61) 9822-9666
Mais informações: página do Facebook

Divina-Madre
Aberto: de quinta-feira a segunda-feira.
Horário: segundas, quintas e domingo: das 13:00 às 20:00. Sextas e sábados: das 13:00 às 22:00.
Endereço: Av. Ary Ribeiro Valadão Filho,1039-A – Alto Paraíso de Goiás – Mapa aqui.
Telefone: (62) 81932301
Mais informações: página do Facebook

Restaurante Alquimia do Sabor
Aberto: de quarta-feira a domingo.
Horário: das 12:00 as 23:00.
Endereço: Rua Vergílio Rodrigues, 2 – Alto Paraíso de Goiás – Mapa aqui.
Telefone: (62) 81932301
Mais informações: página do Facebook

Restaurante Girassol
Aberto: de segunda a sábado.
Horário: de segunda a sexta-feira das 8:00 as 20:00. Sábado: das 8:00 as 15:30.
Endereço: LS 409 Bl. B Lj. 15/16 Brasília – Mapa aqui.
Telefone: (61) 3242-1542
Mais informações: restaurantegirassol.net.br

Comentários

comentários

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *