Eventos PassadosReceitas

Confira como foi o último dia do 7º Festival da Cozinha Vegetariana

7º Festival da Cozinha Vegetariana

O 7º Festival da Cozinha Vegetariana é um evento que reúne os mais variados e renomados chefs do país para fazer demonstrações culinárias veganas gratuitas e ao vivo. Organizado pela SVB, o festival acontece todo ano e faz parte da maior feira de produtos naturais e orgânicos do Brasil, a NaturalTech. Este ano o evento aconteceu entre os dias 10 e 13 de junho, reunindo 31 chefs e ensinando mais de 40 receitas.

Este foi o segundo ano que participei do festival. No ano passado, como tinha flexibilidade total dos meus horários, consegui acompanhar 2 dias. Este ano, porém, só consegui acompanhar o último dia que aconteceu no sábado. Sabem como é, né? Durante a semana alguém tem que trabalhar para pagar as contas, mas se eu pudesse com certeza teria acompanhado todos os dias. Por isso, (hora do jabá) se vocês gostam do blog e querem que eu me dedique cada vez mais a ele, me apoiem, divulguem e peçam para aquela sua tia rica me patrocinar.. hahah. 😆

Mas então vamos aos chefs e suas receitas…

#1 – Conceição Trucom

A primeira apresentação do dia foi da Conceição Trucom. A Conceição é química, cientista, palestrante, blogueira e também escritora de livros sobre alimentação natural, qualidade de vida e bem-estar. Conheci a Conceição há uns 2 anos através do seu site, o Doce Limão, um dos melhores portais da atualidade (no ar há 10 anos) sobre alimentação que você vai encontrar.

Desde que conheci um pouco do trabalho da Conceição já virei um super fã, ela é com certeza um dos nomes mais importantes do país quando o assunto é culinária e saúde. Quase todo mundo que estuda ou se interessa por alimentação saudável tem a Conceição como uma grande mestra. Sempre na vanguarda destes movimentos, ela contribuiu e continua contribuindo muito com esta recente revolução da nutrição e da nova relação do homem com o alimento.

Se você não conhece o trabalho da Conceição, te obrigo a dar uma fuçada no Doce Limão e ainda se tiver a oportunidade, faça um curso, veja uma palestra ou leia um livro dela. Você vai aprender mil coisas e se apaixonar por este trabalho.

No festival, a Conceição ensinou a fazer o famoso rejuvelac e fez uma receita de suco verde.

7º Festival da Cozinha Vegetariana - Conceição Trucom

Pra quem nunca ouviu falar, o rejuvelac é uma bebida poderosa feita a partir da germinação e da fermentação de alguns grãos, como o trigo e o centeio, por exemplo. O rejuvelac tem esse nome obviamente devido ao seu grande poder de “rejuvenescer”, pois é mega rico em enzimas que facilitam a digestão e automaticamente repõe as que são perdidas no processo de cozimento dos alimentos.

Bom, não vou me estender senão o post vai ficar quilométrico, mas pra quem se interessar pelo assunto, pode acessar este link aqui do Doce Limão e se perder em um mar de informações.

A receita do suco verde:

Ingredientes:
– 1 manga
– 1 maçã
– 1 limão
– 1 pepino (biossocador: usado para socar os ingredientes no liquidificador)
– 1 punhado de funcho, folhas verdes e brotos
– 1 punhado de brotos/sementes germinadas (no dia foram utilizadas sementes de girassol germinadas)
– 1 copo de rejuvelac

OBS: cuidado aqui pois nem todos os brotos ou sementes germinadas são comestíveis, principalmente os dos feijões. Se vai utilizar algum não convencional, dê uma pesquisada para checar se realmente pode. Eu linkei aqui dois pdfs bem completos feitos pelo meu amigo e chef de alimentação viva Kamalanath Das’Gilberto. A tabela, inclusive, foi feita pela Conceição. Quem se interessar, pode baixar para aprender a fazer os germinados e se informar sobre quais sementes é possível usar.
Download: tabela de germinação
Download: manual de brotos

Modo de fazer:
1 – Bata tudo no liquidificar, exceto os brotos e as sementes germinadas. Utilize o pepino para ajudar a socar os ingredientes. No final, o pepino pode ser acrescentado totalmente à mistura.

2 – Despeje a mistura em uma voil (coador de pano) e ordenhe até não sair mais líquido. A Conceição frisou que é muito importante esta etapa de remoção das fibras, pois é aqui que os “anti-nutrientes” (da família dos alcaloides) tóxicos são eliminados.

3 – Devolva a mistura ao liquidificador e acrescente o rejuvelac com os brotos e/ou sementes germinados. Bata tudo novamente e pronto.

4 – Engarrafe, vede bem o recipiente e leve o suco à geladeira para fermentar por 24 horas.

5 – Prontinho, agora tome o suco durante as próximas 24 horas.

7º Festival da Cozinha Vegetariana - Conceição Trucom

#2 – Eduardo Corassa

O Eduardo Corassa é escritor, consultor, palestrante e ecochef crudívoro/higienista formado em letras e em nutrição. Ele escreve o blog Saúde Frugal, dá cursos pelo país todo e é o principal nome quando o assunto é crudivorismo, frugivorismo e da filosofia higienista.

Bom, antes de mais nada vou tentar explicar no que consiste todas essas filosofias que o Eduardo segue. O crudivorismo, como a própria palavra explica, é uma filosofia alimentar onde a pessoa só consome alimentos vegetais na sua forma crua (frutas, legumes, grãos germinados, brotos e oleaginosas). O principal motivo por se adotar esta filosofia seria devido ao fato de que o processo de cozinhar elimina toda a capacidade nutricional do alimento.

O frugivorismo defende os mesmos princípios que o crudivorismo, com a diferença que a alimentação se baseia quase que totalmente em frutas, seguida por legumes e pequenas quantidades de oleaginosas. No frugivorismo não se consome grãos e a justificativa principal vem de estudos e comparações fisiológicas relacionando a espécie humana com outros animais semelhantes, como os primatas, por exemplo.

E para terminar, uma dieta higienista é uma forma de se alimentar onde são levados em consideração a combinação dos alimentos ingeridos. Esta combinação se refere aos alimentos que são compatíveis entre si em sua química digestiva. O principal argumento também vem de uma análise relacionada aos animais semelhantes ao homem, onde não é possível encontrar outra espécie que misture muitos alimentos de uma vez só.

Enfim, conhecer o Eduardo é colocar em questionamento todos os seus hábitos alimentares. A primeira vez que vi uma palestra dele fui pra casa em choque. Ele investigou muito bem toda essa história de quando homem começou a “cozinhar” os alimentos e você começa a entender toda a conspiração que existe por trás de um hábito tão banal.

Fazendo uma análise cronológica e relacionando a evolução fisiológica e cultural do homem, com muitos argumentos inquestionáveis ele te convence de que realmente a forma mais eficaz de se alimentar seria a de somente ingerir os alimentos na sua forma crua (os que são possíveis comer cru).

O Eduardo tem vários livros e é uma pessoa única nesse universo do veganismo. Eu sempre estou de olho no blog dele para descobrir novas receitas e tentar aprender alguma coisa. Depois de conhecer o trabalho do Eduardo, você expande exponencialmente o seu repertório alimentar e descobre que é possível fazer receitas super elaboradas mesmo seguindo todos estes princípios. Vale uma super fuçada: Saúde Frugal.

No festival, o Eduardo ensinou um creme de amendoim com banana e uma torta de manga com coco.

7º Festival da Cozinha Vegetariana - Eduardo Corassa

Creme de amendoim com Banana

Ingredientes:
– 5 bananas bem maduras
– 80g de amendoim
– 50g/100g de tâmaras (opcional)
– 1 pitada de canela (opcional)
– 1 cenoura (como biossocador)

Modo de fazer:
Bata tudo no liquidificador e pronto. Pode comer puro, como sorvete, com frutas e também usar como geleia.

Torta de manga como coco

Ingredientes:
– 500g de manga bem madura
– 400g de coco ralado
– 100g de uva passa (opcional)

Modo de fazer:
Bata a manga com metade do coco ralado no liquidificador e com as uvas passas. Despeje a mistura em um recipiente e vá acrescentando mais coco ralado até chegar na consistência de uma massa. Em seguida, coloque a massa em uma xícara ou forma e desinforme.

7º Festival da Cozinha Vegetariana - Eduardo Corassa

#3 – Chubby Vegan

A terceira apresentação do dia foi da Nathalia Soares, a famosa Chubby Vegan. Ela é técnica em Nutrição (Senac), formada em Gastronomia (Anhembi Morumbi) e com certeza uma das melhores e mais conhecidas chefs de culinária vegana do país. Hoje em dia a Nathalia cozinha e vende suas criações sob encomenda pela internet.

Eu já contei a história da Nathalia no post do ano passado, mas pra quem ainda não conhece, a sua vida de chef vegana começou há alguns anos depois que ela viu o filme Julie & Julia. O filme conta a história de uma jovem frustrada com a vida que resolve criar um blog de culinária e postar 524 receitas em um ano. Como a Nathalia já era apaixonada por cozinhar, ela teve a grande ideia de fazer o mesmo só que na versão vegana. Depois de algum tempo o blog começou a ficar famoso, a Nathalia começou a estudar gastronomia e daí pra frente foi só sucesso.

No festival, a Nathalia ensinou um absoluto pavê de maracujá com chocolate. Como esta receita está no blog dela, vou economizar um espaço e linkar vocês pra lá. O pavê é SUPER fácil de fazer, fica maravilhoso e tem cara de sobremesa de domingo.

7º Festival da Cozinha Vegetariana - Chubby Vegan

7º Festival da Cozinha Vegetariana - Chubby Vegan

#4 – Natalia Werustsky

A Natalia é chef formada pelo Natural Gourmet Institute de Nova York. Além disso, ela é pós-graduada em nutrição e especialista em alimentação orgânica, crua e sem glúten. A Natalia dá cursos e palestras pelo Brasil todo e oferece mais diversos serviços voltados para a área da gastronomia e nutrição.

Eu não conhecia a Natalia até então. Engraçado que depois da apresentação dela no festival, acabamos nos trombando em um stand da feira e trocamos algumas palavras. Vamos ver se consigo trazer algumas receitas dela aqui para o RotaVEG… <3

No festival ela contou com a ajuda da sua filhinha Sofia e ensinou uma deliciosa salada de penne de arroz, tomate cereja e rúcula. Esta receita saiu na Revista Vegetarianos do mês passado e quem quiser acessar é só clicar aqui.

7º Festival da Cozinha Vegetariana - Natalia Werustsky

#5 – Daniel Biron

O Daniel Biron é um dos chefs de culinária vegana mais renomados do país. Formado pelo Natural Gourmet Institute de Nova York, ele é instrutor, consultor e também especializado em culinária orgânica e sem glúten. Já trabalhou e foi chef em diversos restaurantes famosos em Nova York, Copenhague e Paris.

Conheci o Daniel neste mesmo festival no ano passado. Lembro que ele ensinou a fazer um bolo de chocolate sem glúten absurdo. Eu tenho a complexa receita guardada até hoje e tinha me prometido de fazer algum dia, mas ainda não criei coragem de ir atrás de todas as farinhas e ingredientes diferenciados que são utilizados. Mas enfim, algum dia eu ainda faço esta iguaria.

No festival deste ano o Daniel ensinou a fazer um mousse de maracujá com calda e farofa de castanha-do-Pará. Como a receita é bem longa, tive que colocar neste outro link aqui. Apesar de ser bem gourmet e ter muitos ingredientes, foi super fácil ver ele fazer… rs.

7º Festival da Cozinha Vegetariana - Daniel Biron

#6 – Tatiana Cardoso

A Tatiana Cardoso é chef de culinária vegetariana e proprietária do famoso restaurante Moinho de Pedra, em São Paulo, e do espaço Natural Arte, em Embu das Artes. Ela é uma das chefs mais famosas do país e seu restaurante é constantemente premiado como um dos melhores da cidade.

Desde que me mudei para São Paulo sonho em comer no Moinho de Pedra. Já ouvi muita gente falando que é sensacional, mas até hoje não tive a oportunidade de conhecer. Ele com certeza já está na lista de futuras visitas aqui do RotaVEG e prometo fazer um post super completo.

No festival, a Tatiana ensinou a fazer um cozido de três vegetais, cogumelos frescos, vinho branco e leite de amêndoas. A receita também é bem comprida, mas quem quiser dar uma olhada é só clicar aqui.

7º Festival da Cozinha Vegetariana - Tatiana Cardoso

7º Festival da Cozinha Vegetariana - Tatiana Cardoso

#7 – Thaisa Navolar

A penúltima apresentação do sábado foi a da nutricionista Thaisa Navolar. Ela é especialista em nutrição vegetariana e vegana e dá cursos e palestras pelo país. Ela atende atualmente em Florianópolis e trabalha na Secretaria Municipal de Saúde.

Ela ensinou a fazer leite de castanha de caju e leite de aveia em flocos. Como estas receitas são curtinhas, resolvi colocar aqui mesmo. Vamos lá:

Leite de aveia em flocos

Ingredientes:
– 1 xícara de aveia em flocos grossos
– 4 xícaras de água mineral

Modo de fazer:
Hidratar a aveia em flocos por pelo menos 30 minutos (1 xícara de aveia para 2 xícaras de água). Bater no liquidificador a aveia com a água de molho e mais 2 xícaras de água gelada. Coar. Liquidificar com frutas de sua preferência ou misturar com cacau em pó, canela, baunilha, etc. Guardar em geladeira por no máximo 48 horas.

Dica: este é um leite vegetal neutro, pode ser utilizado em receitas de doces ou salgados.

Leite de castanha de caju

Ingredientes:
– 1 litro de água de coco
– 1 xícara de castanha de caju crua (não torrada) sem sal

Modo de fazer: hidratar a castanha de caju por 2-4 horas. Desprezar a água. Escaldar em água quente. Bater no liquidificador com a água de coco e coar em peneira fina ou coador de pano. Guardar em geladeira por no máximo 48 horas.

7º Festival da Cozinha Vegetariana - Thaisa Navolar

#8 – Renata Octaviani

A Renata Octaviani é fundadora do site de receitas VegVida. Ela também é idealizadora do estabelecimento de mesmo nome que surgiu posteriormente em Campinas/SP e possui experiência no desenvolvimento de receitas vegetarianas e veganas desde 2005.

A Renata possui treinamento profissional pela Cordon Vert / Vegetarian Society (Altrincham/Manchester, Inglaterra – 2013), já participou de diversos programas de culinária e ministra oficinas e palestras sobre o tema “gastronomia vegana”.

No festival, a Renata deu uma palestra sobre as PANCS (plantas alimentícias não convencionais). Eu nunca tinha ouvido falar sobre o assunto e fiquei super interessado. As PANCS são espécies vegetais comestíveis que por algum motivo, seja cultural ou financeiro, não são exploradas na nossa culinária e caem no esquecimento da maior parte da população.

As plantas que ela levou para mostrar são espécies que possuímos nos nossos quintais, nas calçadas, terrenos baldios e que praticamente ninguém nem imagina que são comestíveis. Alguns exemplos: prumélia (planta de calçada que possui flores comestíveis), maria sem-vergonha (flores comestíveis), pulmonária ou peixinho da horta (pode ser usada como tempero ou petisco), flor bom dia boa noite (comestível), o funcho, a ora pro nobis, a tupinambor, a jaca verde, a taioba, o bredo ou caruru e a palma (cacto).

A Renata ensinou um ravioli (massa de ora pra nobis) com recheio de caruru com castanha de caju. Segue a receita…

Raviole de ora pra nobis com recheio de caruru com castanha de caju

Ingredientes da massa:
– 130g de farinha branca
– 1 pitada de sal
– 1 colher de sopa de azeite
– 10g de farinha de ora pra nobis
– 1/2 xícara de água

Ingredientes do recheio:
– 1 colher de azeite
– 1 copo de caruru
– 1 copo de castanha de caju

Modo de fazer:
1 – Misture todos os ingredientes da massa e vá enfarinhando até dar o ponto de macarrão. Neste ponto, a massa está bem firme e bem mais consistente do que a massa de pão. Deixe descansar por uns 20 minutos e enquanto isso faça o recheio.

2 – O recheio: bata tudo no processador até virar uma pasta.

3 – Monte os raviolis e cozinhe em seguida. O tempo do cozimento é igual o do noque, assim que subir na água está pronto.

7º Festival da Cozinha Vegetariana - Renata Octaviani

E assim terminou mais um Festival da Cozinha Vegetariana. Quem perdeu, não deixe de participar do próximo. Espero conseguir participar de todos os dias no ano que vem! 🙂

Mais informações: http://www.svb.org.br/

Comentários

comentários

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *